(11) 3082 9786 – Praça N. Sra. do Brasil, s/nº, Jardim América – São Paulo, SP

Notícias da paróquia › 09/06/2015

Há 25 anos Papa Francisco não assiste à TV

2013-667577681-2013-632583040-2013-632155244-2013072637540.jpg_20130726.jpg_Durante sua visita a Sarajevo o Papa teve contato com os jovens no sábado, dia 06. Na ocasião, foi facultado a eles fazer perguntas ao Pontífice.

Uma jovem, então, fez-lhe uma pergunta inesperada: Se era verdade que ele realmente não assistia televisão há mais de 20 anos.

E a resposta de Francisco foi pronta e, ao mesmo tempo, um convite à sobriedade em tempos do que ele já chamou de relativismo “nocivo que mata a alma”.

Disse o Papa:
“Uma noite, a meados dos anos 90, senti que [a televisão] não me fazia bem, alienava-me, condicionava-me… e decidi deixar de vê-la.

Quando queria ver um filme bom, ia ao centro televisivo do arcebispado e o via-o lá. Mas, via só aquele filme…

A televisão, ao contrário, alienava-me e impelia-me para fora de mim; não me ajudava. Sem dúvida, ‘sou da Idade da Pedra, sou antigo’! Compreendo que o tempo mudou! Agora vivemos no tempo da imagem. E isto é muito importante.

Mas, no tempo da imagem, deve-se fazer como no tempo dos livros: escolher as coisas que me fazem bem!

Daqui seguem-se duas coisas.

Primeira: a responsabilidade que têm os centros televisivos de produzir programas que façam bem, que promovam os valores, que construam a sociedade, que nos façam crescer, e não nos degradem; e ainda, produzam programas capazes de nos ajudar para que os valores, os verdadeiros valores, se tornem mais fortes e nos preparem para a vida. Esta é a responsabilidade dos centros televisivos.

Segunda coisa: saber escolher os programas, e esta é uma responsabilidade nossa.

Se vejo que um programa não me faz bem, destrói-me os valores, torna-me vulgar, resvalando mesmo na obscenidade, devo mudar de canal. Como se fazia na minha ‘Idade da Pedra’: quando um livro era bom, você o lia; quando um livro te fazia mal, jogava-o fora.

Mas há ainda um terceiro ponto: a fantasia nociva, aquela fantasia que mata a alma.

Você que é jovem, se tu vives preso ao computador e te tornas escravo do computador, perdes a liberdade!

E, se procuras no computador programas sujos, perdes a dignidade!

Ver a televisão, usar o computador, mas para as coisas belas, as coisas grandes, as coisas que nos fazem crescer. Isto é bom”.

Por Gaudium Press com Rádio Vaticano